Loading...

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Segurança em Área Laboratorial Hospitalar

RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS

As condições de segurança da área laboratorial/hospitalar dependem de vários fatores: físicos (características do local; características do material utilizado; informação e formação do pessoal.
A Organização Mundial de Saúde, bem como o Ministério da Saúde publicam, periodicamente, manuais sobre normas de segurança. Atualmente, dentro desta área, o assunto mais discutido em função de sua importância é a Biossegurança, ou seja, as normas que envolvem o pessoal da área médico - hospitalar.

Algumas desta normas são de extrema relevância e devem ser plenamente definidas:

- UNIFORMES: obrigatoriamente protegido com avental de mangas longas, fechado na frente e longo (abaixo dos joelhos);

- CABELOS: permanentemente presos na sua totalidade. Em áreas de controle biológico, o uso do gorro é obrigatório (Laboratório de Cultura, Biologia Molecular, Produção de Componentes Lábeis Sangüíneos, Laboratório de Microbiologia, Isolamento Reverso, Centro Cirúrgico, etc.);

- SAPATOS: exclusivamente fechados . Não deve ser permitido o uso de sandálias dentro de áreas hospitalar e laboratorial;

- JÓIAS E BIJUTERIAS: deve-se usar o mínimo possível. Não se deve usar anéis que contenham reentrâncias, tais como incrustações de pequenos brilhantes ou pedras, assim como não se deve usar pulseiras e colares que possam tocar superfícies de trabalho e/ou pacientes, vidrarias, etc;

- MAQUIAGEM E PERFUME: a maquiagem é uma grande fonte de partículas na área laboratorial e hospitalar, partículas estas que significam perigo ! As maquiagens liberam milhares destas partículas, na maior parte aderentes, pois contêm glicerina, mica, titânio, entre outras coisas. Entre as maquiagens, o excesso de batom e rímel significam, sem dúvidas, um dos maiores problemas, assim como laquê. Os perfumes devem ser evitados em ambientes técnicos por inúmeros motivos: são poluentes ambientais, muitos pacientes têm intolerância a odores, em função de seu estado de saúde e outros em função dos medicamentos que fazem (quimioterapia e radioterapia), e podem impregnar ambientes fechados que contenham filtros em ar condicionado, agravando o estado de saúde de muitos alérgicos;

- UNHAS: devem ser curtas e bem cuidadas. Não podem ultrapassar a “ponta dos dedos”. Preferencialmente sem conter esmalte, principalmente nas áreas de isolamento reverso e laboratórios de Cultura Celular. O esmalte libera partículas por micro - fraturas.
O acesso ao laboratório é limitado ou restrito ao pessoal técnico. Não permita a circulação de pacientes ou de quadros administrativos, que não advertidos dos riscos biológicos, podem se contaminar.

Os trabalhos da área técnica devem estar corretamente uniformizados sobre a importância do uso dos equipamentos de proteção individual - EPIs, no sentido de prevenir a contaminação da pele e da indumentária.

- ROUPAS PROTETORAS: avental exclusivamente de manga longa, permanentemente fechado. Deve ser usado no interior do laboratório, e deve permanecer no vestuário técnico, não devendo ser usado em áreas públicas como: bares, lanchonetes, banco, etc.

- ÓCULOS: devem ser usados para todas as áreas as atividades de risco, como manipulação de produtos biológicos potencialmente contaminados, produtos químicos, além daquelas que portam risco de radiação e/ ou iluminação (uso de óculos especiais em presença de lâmpada U.V.).

- MÁSCARAS: devem ser usadas sempre que manipuladas substâncias químicas como alto teor de evaporação (além de serem manipuladas em capelas de exaustão), e em áreas de alta contaminação com produtos biológicos. As máscaras podem e devem ser usadas também no sentido de não contaminarmos o ambiente (isolamento reverso, centro cirúrgico, etc.).

- LUVAS: obrigatórias na manipulação de qualquer material biológico, e com determinados produtos químicos.

Abordaremos, sob a forma de itens, as orientações/recomendações sobre biossegurança baseadas num resumo de literatura internacional, principalmente nas publicações da OMS, CDC - Atlanta e CEE.

¨ todo material biológico é por princípio contaminado;

¨ todo material químico é por princípio prejudicial à saúde;

¨ as superfícies de trabalho devem ser descontaminadas pelo menos uma vez ao dia, e sempre após o respingo de qualquer material, sobretudo material biológico. O laboratório deve ser mantido limpo e livre de todo e qualquer material não relacionado às atividades nele executadas;

¨ proibido manter pertences, bolsas, jornais, flores, casacos, ventilador, rádio, TV, etc., na área técnica;

¨ sempre após a manipulação de material biológico ou antes de deixar o laboratório, os técnicos devem lavar as mãos;

¨ todos os procedimentos devem ser conduzidos com máximo cuidado, visando evitar a formação de aerossóis;

¨ todo material biológico, sólido ou líquido, deve ser descontaminado antes da lavagem ou do descarte. O material deve ser descontaminado fora da área de atividades do laboratório.

Deverá ser colocado em um recipiente a prova de vazamento e devidamente fechado antes do seu transporte.

É EXPRESSAMENTE PROIBIDO NA ÁREA LABORATORIAL:

¨ comer, beber, fumar;

¨ fazer aplicações de cosméticos;

¨ coletar amostras de pacientes;

¨ para fins de pipetagem devem ser utilizados dispositivos auxiliares, mecânicos, elétricos, tais como: peras de borracha, pipetadores automáticos, etc;

¨ é essencial o uso dos EPIs - roupas protetoras, avental e de luvas, durante a execução de atividades no interior do laboratório, no sentido de prevenir a contaminação da pele e da indumentária do técnico, isto sendo válido para visitantes, representantes de firmas que entrem dentro da área técnica;

¨ as roupas protetoras somente devem ser usadas no interior do laboratório, e em corredores de áreas técnicas comuns, devendo ser retiradas quando o técnico deixar o ambiente. É proibido o uso de tais roupas e de luvas, nas áreas externas do laboratório, tais como: sala de lanche, área administrativa, toaletes, banco, lanchonete, transporte público, etc;

¨ quando necessário, fazer uso de óculos de proteção, ou outro tipo de proteção facial;

¨ deve ser proibido o manuseio de maçanetas, telefones, puxadores de armários, ou outros objetivos de uso comum por pessoas usando luvas durante a execução de atividades em que, agentes patogênicos ou material correlato (químico e/ou biológico) esteja sendo manipulado;

¨ as portas dos laboratórios devem conter sinais e informações indicativas do grau de risco dos agentes manipuladores e do cuidado a ser mantido no momento da entrada no mesmo;

¨ quando existirem janelas nas dependências do laboratório, elas devem ser dotadas de proteção contra insetos;

¨ deve ser procedido o controle de insetos e roedores nas dependências do laboratório;

¨ não é permitida a presença de animais e plantas que não estejam relacionados com as atividades do laboratório;

¨ as bancadas do laboratório devem ser impermeáveis e resistentes a ácidos, álcalis, solventes orgânicos e calor moderado. O mobiliário deve ser firme e com espaços para facilitar a limpeza;

¨ ao iniciar as atividades práticas, você entrará em contato com uma série de problemas que exigirão, para sua solução, cuidados especiais na manipulação técnica e raciocínio para a interpretação dos resultados. O trabalho no laboratório será mais fácil e exato se seguir os seguintes itens: mantenha-se informado sobre a localização de material para socorro de urgência e de extintores de incêndio;

¨ trabalhe sempre em local bem ventilado, mas sem corrente de ar e bem iluminado;

¨ antes de iniciar o trabalho, certifique-se de que haja água nas torneiras;

¨ na hora de ligar um aparelho, verifique a voltagem e tome o máximo cuidado durante o uso.
RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS

Cuidados como o uso de Substâncias Químicas.

Leia com atenção os rótulos dos frascos e dos reagentes antes de utilizá-los, isto evitará erros na realização das técnicas.

Use sempre as quantidades de reagentes indicadas nas BPL/GMP. Coloque em ordem os materiais e reagentes necessários antes de iniciar a manipulação, para verificar se não está faltando nada.

Após o uso de produtos químicos, coloque-os no devido lugar.

Conserve os frascos fechados, não coloque tampas de qualquer maneira sobre a bancada.

Nunca cheire diretamente e nem prove qualquer substância utilizada ou produzida durante as manipulações.

Ao derramar qualquer substância, providencie a limpeza imediata.

Se precisar diluir um ácido, despeje-o lentamente sobre água e agite. Esta técnica é importante sobretudo para o ácido sulfúrico.

Tome cuidado com reações que desenvolvem grande quantidade de energia.

Não jogue nenhum material sólido, produto químico e biológico dentro da pia, ou da rede de esgoto comum.

Não misture as substâncias ao acaso.

Não trabalhe com substância não identificadas (sem rótulos).

Proíba o uso de ventiladores na área laboratorial.

CUIDADOS COM O USO DO FOGO

Mantenha as substâncias inflamáveis longe das chamas.

Ao aquecer qualquer substância em um tubo de ensaio, segure-o com pinça voltando à extremidade aberta do tubo para o local em que haja nenhuma pessoa.

Não aqueça nenhuma substância em recipiente totalmente aberto.
Ao aquecer líquidos, coloque sempre pedrinhas de ebulição.
Preste atenção no bico de gás, verificando se não há vazamento e após o uso feche imediatamente o registro. Em caso de dúvidas, consulte seu superior.
Mantenha seu rosto sempre afastado do recipiente onde esteja ocorrendo uma reação química ou combustão.
Faça periodicamente revisão dos extintores de incêndios, bem como treinamento com o Corpo de Bombeiros.
CUIDADOS COM USO DE VIDRARIAS

Não empregue vidraria trincada.
Arredonde no fogo as bordas dos tubos que estiverem cortantes.
Ao introduzir tubo de vidro ou termômetro em rolhas, umedeça-os convencionalmente e enrole a peça de vidro numa toalha para proteger as mãos.
Coloque peças quentes de vidro em local apropriado.
Para sustentar uma peça de vidro por meio de uma garra metálica, envolva com pedaço de borracha ou pano.

Nenhum comentário: