terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

“Preparem-se para um mundo 5ºC mais quente”, alerta ex-chefe do IPCC

“Todas as promessas do mundo, que de qualquer forma têm pouca probabilidade de se realizarem, não vão nos dar um mundo com um aquecimento de apenas 2°C”. A afirmação, nada otimista, não parte de ninguém leigo no assunto, mas sim de Robert Watson, cientista britânico que chefiou o IPCC (Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas) nos anos de 1997 a 2002, segundo informou a Rede de Notícias sobre Clima.

Ao participar de um simpósio na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, Watson destacou que o mundo perdeu a chance de manter as emissões de gases de efeito estufa abaixo do nível necessário para impedir um aumento de temperatura média superior a 2°C.

Segundo Watson, que teria sido destituído do posto no IPCC pelo governo norte-americano, sob pressão de um executivo da ExxonMobil, há uma probabilidade de 50% de se evitar um aquecimento global superior a 3°C, comparado com o nível de temperatura no início da era industrial, mas isto significa que um aumento de 5°C também é possível.

“Todas as evidências, na minha opinião, sugerem que estamos no caminho de um mundo de 3°C a 5°C mais quente. Algumas pessoas estão sugerindo que a saída do problema é através da geoengenharia, intervindo no sistema de clima para moderar o aquecimento”, ressaltou o cientista.

De acordo com Watson, o mundo vai precisar de muita pesquisa. “Existem soluções justas, que têm uma boa relação custo/eficácia para abordar as mudanças de clima, mas há também necessidade de vontade política e uma forte liderança moral. As mudanças de políticas públicas, práticas e tecnologias necessárias não estão no cenário atual”.

Para Watson, atual diretor do Tyndall Centre for Climate Change Research, na Universidade de East Anglia, no Reino Unido, o mundo precisa se preparar para a eventualidade de um aumento de temperatura na casa dos 5ºC.

“Quando eu liderava o IPCC, nós estávamos todos bastante otimistas de que conseguiríamos um acordo global para limitar emissões, embora soubéssemos que seria difícil. Mas tínhamos a esperança de que as emissões não subiriam com a grande velocidade que assistimos agora”, observou.

Um mundo 5°C mais quente hoje significa colheitas agrícolas em queda tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento, aumento do nível do mar ameaçando muitas cidades importantes e uma escassez significativa de água.

Maior número de espécies estariam diante da perspectiva de extinção (cada 1°C coloca cerca de 10% das espécies em risco de extinção), haveria eventos climáticos mais extremos e um risco crescente de grandes mudanças abruptas no sistema climático.
Fonte: Portal EcoD

Nenhum comentário: