sexta-feira, 3 de maio de 2013

Como os estrangeiros veem o brasileiro

Muito além do trinômio samba-praia-futebol, gringos que moram no País apontam a falta de autoestima local e outros detalhes que não estamos acostumados a enxergar.

Quando o roqueiro australiano Nick Cave se mudou para São Paulo, em 1990, teve de admitir que o Brasil não era seu lugar. Três anos depois ele foi embora, pois não suportava a cultura de sociabilidade do brasileiro. “Ele é sorumbático, mais solitário, e não gregário como o povo daqui. Nick dizia que não aguentava esse jeito sociável”, relembra ao iG o americano Matthew Shirts, jornalista e brasilianista, radicado no País desde 1976.


O americano Todd Harkin no Rio: no Brasil, ele percebeu a diferença de ritmo
Se o anglo-saxão mantém certa distância do outro, o brasileiro é inclusivo. Gosta de gente, de interagir, de juntar todo mundo para celebrar. Daí o fato de a adaptação de um estrangeiro ao Brasil ocorrer naturalmente. Este traço é bastante sublinhado por boa parte dos estrangeiros que moram aqui. “Tem aquela coisa de botar mais água no feijão”, Matthew diz, aos risos, sobre o imenso capital social do Brasil. “Fui adquirindo essa coisa mais ‘pegajosa’ nesses 27 anos, mas nos Estados Unidos isso pode gerar uma acusação de assédio sexual”, afirma.

A propalada sociabilidade brasileira é um dos mais manjados cartões de visitas do País, mas ainda encontra meios de surpreender quem vem de fora. “O maior choque cultural foi a ótima receptividade das pessoas com alguém que não conhecem”, diz o engenheiro de informática francês Olivier Teboul, 29 anos, ao lembrar do dia em que colocou os pés no Brasil, há quase dois anos.

“Saí do aeroporto com três números de telefone de gente que disse ‘qualquer coisa, pode me ligar’. "Psicologicamente é um apoio enorme, me senti acolhido”, afirma. “Acho que, na França, para um estrangeiro é mais difícil se integrar em um grupo de franceses sem conhecer ninguém do grupo”.

Há algumas semanas, Olivier ganhou repercussão nas redes sociais com o post de estreia de seu blog, em que listou 65 impressões e costumes dos brasileiros que lhe causaram surpresa. Elas vão de observações divertidas – “Aqui no Brasil, comida salgada é muito salgada e comida doce é muito doce. Até comida é muita comida” – a coisas que jamais supomos ser espantosas para alguém, como “Os brasileiros escovam os dentes no escritório depois do almoço”.

Também fez referências ao clássico complexo de vira-latas brasileiro (“Aqui no Brasil, as pessoas acham que dirigir mal, ter trânsito, obras com atraso, corrupção, burocracia, falta de educação, são conceitos especificamente brasileiros. Mas nunca fui num país onde as pessoas dirigem bem, onde nunca tem trânsito, onde as obras terminam na data prevista, onde corrupção é só uma teoria, onde não tem papelada para tudo e onde tudo mundo é bem educado!”) e não poupou elogios ao que acha interessante: “Aqui no Brasil, pode pedir a metade da pizza de um sabor e a metade de outro. Ideia simples e genial” .

Tampouco deixou passar inoperâncias famosas: “Aqui no Brasil, o sistema sempre tá 'fora do ar'. Qualquer sistema, principalmente os terminais de pagamento de cartão de crédito” e “Aqui no Brasil, tem um organismo (sic) chamado DETRAN. Nem quero falar disso, não saberia por onde começar...”

“São observações, não tem juízo de valor”, conta Olivier, rebatendo críticas de brasileiros que deixaram comentários pouco gentis em sua página. “A coisa que achei mais legal, e que era totalmente não intencional, é que se gerou uma reflexão dos brasileiros sobre o Brasil, sobre a identidade brasileira”.


A ganense Arlette Afaggbegge se perdia e tinha que passar o celular
para o marido falar com o cobrador do ônibus

Novas perspectivas

Mudar de país leva a pessoa a ampliar seus horizontes sobre uma nova cultura, mas também a aprender sobre a sua própria nação. É o que a argentina Juana Kweitel, de 40 anos, diretora de programas de uma ONG de Direitos Humanos, descobriu durante os 10 anos em que vive em São Paulo. “Não percebia, vivendo na Argentina, como todo mundo lá é tão dramático. O que gosto daqui é que o povo é mais otimista”, declara.

Hoje Juana já se afina com o temperamento do brasileiro, mas no início se atrapalhava com a leitura de alguns códigos. “Uma coisa diferente da minha cultura é a dificuldade de o brasileiro falar ‘não’. Ele sabe que não vai, mas diz que vai. Mas não é uma mentira; tem a ver com poupar o outro, não frustrar. Antes eu não entendia isso”.

O americano e chef de cozinha Todd Harkin, 40 anos, também só se deu conta da vida que levava e do ritmo frenético que tinha nos Estados Unidos quando foi transferido para São Paulo, há quatro anos, para coordenar a cozinha de um restaurante. “Reparei aqui que as pessoas fazem pausas no trabalho. Nos Estados Unidos não fazemos intervalos”.

A acessibilidade pessoal atribuída ao brasileiro também é notada por não europeus. “Agora que falo bem português, bato papo no ponto de ônibus, converso com as pessoas, coisa que jamais aconteceria na Etiópia. Os etíopes são muito discretos e não falam sobre a sua vida pessoal”, conta a consultora ganense Arlette Afaggbegge, 29 anos, que cresceu na Etiópia e há quatro anos mora em São Paulo.

Mas nem tudo foram flores quando ela chegou à capital paulistana. “A maior dificuldade que encontrei era a de circular pela cidade. Não imaginava que eram 20 milhões de pessoas e que falar inglês não adiantava, em geral. Então me perdia bastante, e muitas vezes tive que passar o celular para o meu marido falar com o cobrador do ônibus”.

Barulho e paciência



Pierre Larose cortando o cabelo no Brasil:
observações sobre o barulho e o julgamento social


Toda essa energia “solar” agrada a maioria, mas pode também incomodar os mais sóbrios. “O brasileiro é muito barulhento”, declara o inglês e consultor de marketing Pierre Larose, de 32 anos. Acostumado com um contexto de vida mais silencioso, ele precisou acostumar os ouvidos nesses três anos viajando por todo o território por causa do trabalho. “Por outro lado, eles têm mais toque, são mais sociáveis e mais relaxados”, concede. Outro comportamento que não entra em sua cabeça é a importância do “ter” como status. “O julgamento social é muito grande. As aparências e a classe são extremamente importantes aqui”.

As diferenças sociais existentes no Brasil estão sempre presentes no noticiário mundial. Talvez por isso a estrutura de São Paulo, especialmente dos bairros centrais, surpreendeu o canadense e músico Robert Boyle, de 33 anos, que mora na cidade há menos de um ano. “ O Brasil parece mais com um país desenvolvido do que eu esperava. A Vila Olímpia, por exemplo, poderia ser uma área de Vancouver. Você vê muita tecnologia, gente com iPhone, prédios, estradas, infraestrutura, além de um metrô mais moderno, limpo e silencioso que o de grandes cidades internacionais”, conta.

Além disso, a observação dos detalhes é o que Robert acha mais interessante. Para ele, o brasileiro é paciente: “não sabia que as pessoas eram assim. Estão sempre esperando filas, ou indo devagar no metrô”.

Olhando de fora

Bárbaro, grosseiro, melancólico, preguiçoso e malandro, por um lado, e exótico, alegre, cordial e “chegado”, por outro. Essas são algumas das imagens tradicionalmente associadas não só pelos estrangeiros, mas também por sociólogos, antropólogos e escritores nativos à representação do brasileiro, como conta a professora de Linguística da Universidade Federal da Bahia Denise Scheyerl.

Ao morar fora do País, Denise também enxergou, pelo viés dos gringos, uma percepção estrangeira sobre o Brasil: “Morei 20 anos na Alemanha e tinha que mostrar meu passaporte, pois me enquadrava mais como húngara. Para eles, para ser brasileira precisa ser mulata e sambista. Mas reduzir uma cultura a uma imagem é algo do mundo neoliberal. E uma questão política”.
Fonte: Potal IG

Nenhum comentário: